Hey, man!

Esteja sempre atento...afinal: "Nós vamos ceifar você"
Atenciosamente: SoD


28 de fev de 2010

Homunculus

Não, não!
Não se trata de uma postagem sobre os personagens de Fullmetal Alchemist.

Esse que vos falo, é esse mangá aqui, ó:
Conta a história de Susumo Nakoshi, 34 anos. Um cara que (sem contar como) fica desempregado e passa a morar na rua, dentro de seu carrinho. Ele para seu carro entre um luxuoso hotel, e um parque onde existem muitos moradores de rua.

Ai começa algumas viagens psicológicas da história. Pois isso indica que ele está em transição entre os dois mundos. Ele não conseguiu sair de um, e entrar no outro, ou pelo menos se decidir a qual pertence, por isso ele mora no meio dos dois. Mas mesmo assim tem uma certa convivência com os "moradores" do parque, que o chamam de "o moço do carro".

Um de seus problemas (e conforme a série avança, descobre-se muitos outros) é a sua mania de mentir. Para cada vez que um infeliz lhe pergunta: "O moço do carro, o que você fazia antes de vir parar aqui?", ele inventa uma história diferente. Uma vez arrumando o carro ele disse ser mecânico, outra dentista, outra corretor de seguros e por ai vai. Depende do momento e da sua inspiração.

Mas ele tem um tic nervoso quando mente, que é um leve sorriso no canto esquerdo da boca, que poucos percebem. O único que percebe esse "tic" é o estudante de medicina Manabu Ito, que aparece do nada e oferece a ele uma grana para ele se submeter a um experimento: a Trepanação.

Essa operação que abre um pequeno orifício no crânio do paciente. Essa técnica era usada na antiguidade com o objetivo de eliminar maus espíritos e demônios, ou ainda desenvolver dons paranormais. E é nesse último objetivo que Ito está focado.
Para o começo, não houve muitas mudanças, apesar da dor de cabeça para Nakoshi. Só que ao tapar o olho direito e ver o mundo só com o olho esquerdo, ele começa a ver monstros nas pessoas. Pessoas finas, pessoas vazias por dentro (?), um chefe da Yakuza vestindo uma armadura de um robô, mas tentando cortar o próprio dedo mindinho com uma foice, e outras bizarrices.

Resumindo um pouco do que acontece depois, eles descobrem que o que Nakoshi começa a ver, são os Homunculi das pessoas. O Homunculus é a representação física do psicológico da pessoa, e na maioria das vezes é como se fosse um trauma da pessoa.

A cada "arco" da história ele desvenda um homunculus, entrando em contado com a pessoa e mesmo sem nenhum preparo descobrindo o que foi que resultou nesse trauma. E ele descobre que os traumas que as pessoas tem, ele também tem, e esses estão bem escondidos no seu psicológico.

Enfim, é um mangá muito bom e intrigante, que sempre deixa uma brecha (obvio) para o próximo volume. Estou comprando-o pela Panini, que está fazendo um ótimo trabalho tanto na tradução, como na adaptação. Gostei muito do mangá e recomendo a todos que queiram variar um pouco nos mangás de luta e romance, pois esse é diferente do que já leram. Com certeza.


Nenhum comentário: